Você está lendo:
Revista FAULT: Entrevista e Photoshoot

Jess Glynne concedeu uma entrevista e sessão de fotos para a revista FAULT. Na entrevista, Jess revela sobre Clean Bandit, seu primeiro número 1, seu álbum de estréia e muito mais…

Confira em nossa galeria o photoshoot completo:

          



Confira a entrevista:

– FAULT Magazine – 2015

    Você começou sua carreira em uma parceria com Clean Bandit, agora tem sua própia composição em número 1. Qual foi sua primeira reação quando soube disso?

Foi provavelmente um dos momentos mais emocionantes e esmagadores na minha carreira até agora.

    Nós já vimos antes que alguns artistas alcançam o topo, mas, depois de um tempo e por várias razões que se diferenciam, tal artista cai no esquecimento. Nessa era digital, aonde as pessoas não dão atenção a muitas coisas, você está preocupada? O que faria para combater isso?

Você sabe que há sim uma grande preocupação nessa indústria da música, principalmente agora que há tantos artistas. Uma coisa que eu estou focada é em ter certeza de que estou sendo honesta. É muito fácil ter um hit e depois simplesmente desaparecer. Muitas pessoas pensam que se você já tem um hit, então fica por isso mesmo, mas nesta indústria não podemos pensar dessa maneira. Você deve colocar completamente toda a sua alma nisso. Então não, isso realmente não me preocupa, eu trabalho duro, mas, obviamente há uma parte de mim que sempre tem esse medo.

    Você está estourando em seu país agora. O que você está pensando em fazer para se distanciar dessa imagem de “a menina que canta um pouco” e passar a ser chamada de “Jess Glynne”?

Eu acho que será apenas com a minha música. Com o tempo, eu acredito, mais as pessoas vão ouvir falar de mim, pela música que eu disponibilizo. Estou nesta indústria para ser uma artista, fazer música. Eventualmente, as pessoas serão capazes de me diferenciar ouvindo composições minhas, ouvindo o que eu realmente quero falar.

    Você foi nomeada para o Brits contra sí mesma. Como foi?

Foi muito estranho na verdade. Foi surpreendentemente estranho. As duas primeiras músicas eu eu lancei para o mundo foram indicadas ao Brit. E foi, provavelmente, uma das conquistas mais surpreendentes que tive. Quero dizer, vários artistas nunca são nomeados a nada…

    Falando sobre premiações, parabéns pelo seu Grammy. Como foi essa experiência?

Foi absolutamente insana. Ser nomeado é uma coisa, mas ganhar, é uma merda. Eu nunca fiquei tão sobrecarregada e chocada e animada e tudo ao mesmo tempo. Sempre que alguém menciona isso, eu ainda fico em estado de choque. 

     Quando você fecha seus olhos e imagina 10 anos a frente, quais sonhos, projetos entre outros você gostaria de realizar para fazer isso tudo valer a pena?

Se eu fosse olhar 10 anos no futuro, gostaria de ver que tenho vários álbuns, turnês pelo mundo, uma casa,  família e amigos. Todas essas coisas, esperanças e sonhos.

    Pelo menos tem uma coisa que já está fora da sua lista ou já assinalada. Um Grammy.

Por mais incrível que seja um Grammy, ainda quero ganhar um em meu nome. Então, ele ainda está na lista.

    Você está prestes a lançar seu primeiro álbum. O que podemos esperar dele?

Você pode esperar ouvir tudo o que falo. Muita gente não sabe o que esperar de mim pois só conhecem outras coisas. Todo mundo pensa “Vai ser um álbum de dança e nada mais.” Não posso simplesmente esperar as pessoas ouvirem o que eu tenho feito. Eu criei este material com coisas que vieram me inspirando ao longo de todo esse tempo. 

    Talvez ele veio de um lugar pessoal?

Sim, pois ele é meio que uma história de tudo que eu vivi durante esses últimos anos. É pessoal no sentido de conter toda a arte que eu criei, e que tem um significado para mim. Não é um álbum chato ou emotivo de mais, mas espero que seja aquele que consiga fazer as pessoas sorrirem ou se sentirem incríveis em alguns momentos da vida. Quando eu ouço alguns álbuns de artistas que eu amo em ordem cronológica, me faz sentir muito bem. Esperamos então que ele (o álbum) cumpra sua missão. 

    Do Coachella para o Tapete Vermelho você está sempre bem vestida. Como você define o seu estilo?

Eu acho que meu estilo é bem diversificado. Eu sou muito exigente em no que vou vestir, eu nunca uso apenas qualquer coisa. E gosto de misturar, de tudo um pouco. Não consigo descrevê-lo.

    Quem você diria que foram seus ícones do estilo?

É uma pergunta bem difícil pois eu gosto de me inspirar em várias coisas que vejo aqui e ali. Um dia vejo algo que Rihanna está usando mas no próximo posso estar andando na rua e ver algo que alguém está usando e gostar também. Eu realmente não tenho ícones da moda. Eu apenas amo a moda. 

    Por fim, qual é o seu FAULT? (por fim, qual o seu maior erro, sua maior culpa?)

Acho que ser indecisa é o maior erro que tenho no mundo. Eu nunca consigo fazer nada em minha mente.

Para ver a entrevista original, clique aqui.


COMENTÁRIOS

Galeria de Imagens

© 2014 Jess Glynne Brasil | Hospedado por Flaunt - Layout, Direitos reservados.