Você está lendo:
Entrevista & Photoshoot: Jess Glynne para a revista InStyle

Como já noticiado em nossas redes sociais, Jess Glynne foi chamada para ser capa da revista britânica InStyle assim realizando também seu photoshoot e entrevista. A mesma teve seu lançamento no último dia do mês de Junho (30/06). A matéria no site oficial da revista está intitulada como: “Ela tem 5 números 1 no cinto, um álbum de estreia platina duplo e está se apresentando em todos os festivais de música desse verão. E Jess Glynne ainda conseguiu tempo para ser nossa garota da capa exclusiva de agosto.”

Jess está dominando as paradas. Com cinco números 1 em seu currículo e um álbum que está no top 20 desde o seu lançamento, ela praticamente tomou o manto de sua heroína, Amy Winehouse. Esta é a verdadeira Jess Glynne que você nunca viu antes …

Ao conhecer a Rainha..
“Sim, eu tive que aprender a reverência! Todos que estavam comigo falaram: ‘Jess, apenas dê um abraço! Apenas dê um toquinho (bater os punhos).’ Tipo ‘O que está acontecendo?! Mas você não pode.. pode?’ Eles me disseram que na hora do aperto de mãos, não era para eu agarrar se não ela (a Rainha) se afastaria! De qualquer forma, ela falou primeiro, e então eu disse “Olá, sua Majestade [eu não sou da realeza], não é? Eu digo, eu amo eles. Eles realmente aquecem a gente! A Rainha é muito profissional, mas também, é a pessoa mais fofa do mundo! Ela me lembra um pouco minha tia Betty. Elas têm a mesma idade, só que minha tia é mais tecnológica. Ela é mais rápida, fala muito, usa o iPad, manda mensagens de texto, Facebook.. Ela é louca.”

A pressão da fama..
“Fui perseguida por uma série de crianças outro dia no lado de fora do Planet Organic (um supermercado) e me senti como o One Direction! É muito triste! A coisa mais louca é que eu ainda me sinto como se fosse a mesma pessoa de antes (da fama). Por anos as pessoas não sabiam quem eu era. Minha vida inteira mudou. Então, de repente, todo mundo sabia quem eu era. Ao mesmo tempo eu adoro isso.. Mesmo quando eu digo que sou famosa, não acho que sou. Mas eu sou. E realmente eu não sou a mesma.. É estranho mas incrível.. Eu adoro isso, porque significa que eu, obviamente, toquei alguma pessoa, de alguma forma, mas tem um outro lado, se eu estou por conta própria eu congelo, então.. eu odeio isso.”

Com um álbum platina duplo..
“Meu álbum não deixou o top 10 desde então.. É realmente impressionante. as turnês pela América e por aqui (Reino Unido).. Eu olho pra tudo isso que eu fiz e sinto como se tudo fosse um grande borrão.. O ano que se passou.. É realmente estranho. Não é normal!”

Em ter sido reprovada no The X Factor aos 15..
“Eu nem sequer vi isso como uma parte da minha jornada. Minha família diz que eu deveria! Muita gente foi negativa comigo musicalmente, vários amigos mesmo. Não de propósito, eu não odeio ninguém por isso. Meus amigos acreditaram em mim claro, mas também falavam ‘Tá, mas como você pretende fazer isso?’ Quando se está trabalhando nesse ramo por tanto tempo chega um ponto que a única coisa que você precisa é a auto-confiança! A luta ainda está aí!”

Sobre Amy Winehouse..
“Eu queria ser ela. Quando ela estourou, eu pensei ‘Ela é basicamente eu!’ Parte de mim estava chateada que ela tenha sido reconhecida primeiro que eu, mas eu estava tão obcecada nela. Esses dois álbuns Frank e [The] Miseducation (da Lauryn Hill) foram os primeiros que me inspiraram liricalmente. Tipo escrever canções e escrever sobre a vida, e apenas amor. Eu também amo a Beyoncé, você pode ver que ela está no controle de tudo o que faz. Eu acho que se uma mulher está fazendo isso, precisa ter bolas (sim, são essas bolas que você está pensando). Você precisa crer em si mesmo e ter força para estar onde quer estar. Caso contrário, ninguém te levará a sério.”

Sobre sua sexualidade..
“Você sabe. as pessoas gostam de falar sobre o fato de que eu estive com uma mulher. Surge isso em cada entrevista. Eu não quero falar sobre isso de novo e de novo. Chega um ponto que sinto que preciso me justificar de algo que eu não preciso. Todas essas coisas são um aspecto de ser mulher. E eu acho que várias mulheres se quebrariam facilmente, sucumbindo em falar muito, falando de mais, porque elas se sentem na obrigação. Uma vez em uma entrevista a jornalista foi ao ponto de que ‘I Cry When I Laugh’ seria sobre um cara. Eu não minto. Não era um cara. Não queria que imprimissem a entrevista e dessem para meus fãs. Não me sentia certa em mentir. Eu estive em vários relacionamentos, grande parte com homens. Eu não olho para o amor como algo diferente do que ele realmente é. Em termos de ex e por que eles me inspiraram em escrever o álbum? ‘Você estaria interessada em saber o que eles pensam?’ Sim, estaria. Eu não sei por onde andam essas pessoa agora.”

Em seu tempo de escola..
“Eu tinha atitude na escola. Eu era bem do tipo ‘Vá se fo_er!’ Eu não era raivosa, eu era apenas honesta pelo o que sentia. (Meu departamento de música me substituiu no último momento), isso realmente me deixou muito p_ta”

Apenas essa parte da entrevista foi revelada pelo site da revista! Confira também na nossa galeria parte da sessão de fotos que está maravilhosa. Também postamos edições feitas pela nossa equipe das imagens sem o logotipo da revista!

Confira o álbum completo aqui
   

COMENTÁRIOS

Galeria de Imagens

© 2014 Jess Glynne Brasil | Hospedado por Flaunt - Layout, Direitos reservados.